Pensamento crítico

Dez Dias de Nudez com o Tio Virso

Todos temos um corpo, mas ainda vemos como tabus várias das necessidades, delícias e angústias corporais que todos compartilhamos. Ao criar as roupas, desnaturalizamos nossa própria pele e inventamos a nudez.
Isso significa que as artes visuais, que encontram seu lar nas sensações, na expressão e nas subjetividades, sempre buscou o corpo despido, mas enfrentou grandes tabus ao fazer isso. E mais, ao confrontar proibições tradicionais aos campos da religião e da moral, a arte muitas vezes criou padrões de beleza desumanamente específicos, acrescendo ainda mais tabus ao caldeirão de neuroses coletivas.
Esse curso é uma jornada pelas mais diversas, maravilhosas e controversas relações que a arte já descreveu com o corpo humano exposto, ao longo da qual vamos nos deparar com alguns dos debates morais, sociológicos e estéticos envolvidos na invenção do conceito de nudez.
Formato

Online
e ao vivo

Data de início

07 de outubro

Duração

10 semanas
10 aulas
20 h/aulas

Opções de pagamento

Pix
Boleto bancário
Cartão de crédito
via pag-seguro

Investimento

[BR] R$200
[PT]  €36

Horários

quintas-feiras
[BR] 19h às 21h
[PT]  23h às 01h

Para pagamentos via Pix ou boleto, envie um email para contato@f508.art

Este curso integra o projeto Passaporte Cultural, no qual, ao pagar uma mensalidade de R$160/€31, como Netflix ou Spotify, você tem acesso a todo o cronograma de cursos do Espaço f/508 de Cultura. Inscrições abertas para o ciclo com início em Outubro de 2021.  

Programa 

  • [Aula 1] A invenção da nudez
    1.1  O que é um corpo humano?
    1.2  Por que inventamos a nudez?
    1.3  Por que a nudez é polêmica?
  • [Aula 4] A nudez engraçada
    4.1  O humor de 5ª série do mundo greco-romano
    4.2  A xilogravura japonesa
    4.3  O cinema comercial pós-moderno
  • [Aula 2] A nudez sagrada
    2.1  Exu na arte sacra iorubá
    2.2  Os deuses pelados da Grécia Antiga
    2.3  Os relevos de Khajuraho
  • [Aula 5] A nudez humilhante
    5.1  O gaulês moribundo
    5.2  O corpo medieval
    5.3  Os prisioneiros de Bonampak
  • [Aula 3] A nudez heroica
    3.1  Gilgamesh com tudo de fora
    3.2  Hércules com tudo de fora
    3.3  Augusto com tudo de fora

 

  • [Aula 6] A nudez simbólica
    6.1  A iconografia de Adão e Eva
    6.2  Os bárbaros nus
    6.3  Imagens do Novo Mundo
  • [Aula 9] A nudez transgressora
    9.1  Os corpos vivos de Camille Claudel
    9.2  O impacto dos quadrinhos alternativos
    9.3  O Instagram como ferramenta (inesperada e não-intencional) de transgressão
  • [Aula 7] A nudez excitante
    7.1  A cerâmica moche
    7.2  Vênus e os meninos
    7.3  As shungas japonesas
  • [Aula 10] A nudez hipermoderna
    10.1  A pornografia do fim do século XIX e início do século XX
    10.2  O caso dos videojogos
    10.3  Nudez minha para meu consumo
  • [Aula 8] A nudez ideal
    8.1  Bundas contraídas e contrapposto na tradição clássica
    8.2  A arte acadêmica europeia e o estrago que ela fez
    8.3  O caso dos mangás e animes

Inclui certificado

Todas as formações do f/508 incluem certificação mediante participação nas aulas

Acesso às gravações

Todas as aulas online do f/508 são gravadas e fornecidas para que o aluno possa revisitá-las

Público alvo

o curso é aberto a todos os interessados nos temas propostos

Pré-requisitos

Nenhum

Tio Virso

Bocó, mas Dr.
Bio
Vilson André Moreira Gonçalves, divulgador científico e administrador da página História da Arte com o Tio Virso, é graduado em Licenciatura em Artes Visuais pela UEPG e doutor em Comunicação e Linguagens pela UTP. Desde 2008 trabalha como arte-educador na educação básica e no ensino superior, dedicando-se desde 2019 à democratização do conhecimento científico em história da arte nas redes sociais.
Created with